Saltar para o conteúdo principal

Luizianne lidera disputa no segundo turno, com 51% das intenções de voto

Eleições -

A candidata do PT, Luizianne Lins, que ficou em segundo lugar no primeiro turno da eleição para a Prefeitura de Fortaleza, com 22,29% dos votos válidos, começa a disputa pelo segundo turno na liderança, 12 pontos à frente de seu adversário, o pefelista Moroni Torgan, revela pesquisa do Datafolha. Se o segundo turno da eleição fosse realizado hoje, 51% dos eleitores de Fortaleza votariam na petista. Moroni Torgan, que, no primeiro turno, teve 26,59% dos votos válidos, seria hoje a opção de 39% dos eleitores da capital cearense. Anulariam o voto ou votariam em branco 3%; se dizem indecisos 6% dos entrevistados. Considerados apenas os votos válidos (excluídos os votos em branco, os votos nulos e os eleitores indecisos) Luizianne teria 57% e Moroni 43%.

Na primeira pesquisa sobre a intenção de voto dos eleitores de Fortaleza para o segundo turno o Datafolha ouviu 880 eleitores, na quinta-feira, dia 14 de outubro de 2004. A margem de erro máxima do levantamento, para o total da amostra, é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

A liderança de Luizianne pode ser, em parte, creditada à conquista da maioria dos eleitores dos candidatos do PC do B, Inácio Arruda, e do PMDB, Aloísio Carvalho. Entre os eleitores que declaram ter votado em Inácio Arruda (PC do B) no primeiro turno, 71% têm agora intenção de votar na candidata do PT. Arruda teve 19,22% dos votos válidos no primeiro turno. Dizem que vão votar em Moroni 18% desses eleitores. A petista também conta com o apoio de 50% dos eleitores que afirmam ter votado em Aloísio Carvalho, que teve 7,06% dos votos válidos no primeiro turno.

Os eleitores que afirmam ter votado em Antonio Cambraia (PSDB), estão divididos: 43% têm intenção de votar na candidata do PT e idêntico percentual prefere o candidato pefelista. No primeiro turno, Cambraia ficou com 18% dos votos válidos.

A intenção de voto em Luizianne chega a 79% entre os eleitores que têm escolaridade superior e a 75% entre os que têm renda familiar mensal superior a dez salários mínimos. Moroni tem 14% das intenções de voto entre os mais escolarizados e 20% entre os de maior renda. Entre os eleitores com escolaridade fundamental ocorre empate: nesse segmento, Moroni tem 46% e Luizianne 43% das intenções de voto.

Entre os eleitores que têm de 16 a 25 anos, Luizianne bate Moroni, por 66% a 30%; entre os que têm 41 anos ou mais, ocorre empate, sendo que o pefelista fica numericamente à frente (46% a 43%).

A rejeição a Moroni é maior do que a de Luizianne: 41% não votariam de jeito nenhum no pefelista; 29% não dariam seu voto à petista sob hipótese alguma. Não é possível fazer comparação com os dados sobre rejeição do primeiro turno, pois foram utilizadas metodologias diferentes.

Afirmam que não estão totalmente decididos, e que seu voto ainda pode mudar até o dia 31, data do segundo turno da eleição, 12% dos eleitores de Fortaleza.

Entres os que hoje têm intenção de votar em Luizianne, 89% se dizem totalmente decididos; 10% afirmam que ainda podem mudar. Entre os que hoje votariam em Moroni Torgan, 87% dizem que sua decisão é definitiva e 13% afirmam que ainda podem mudar de ideia.

Dos que votariam hoje em Luizianne, mas admitem mudar até o dia do segundo turno, 52% afirmam que, caso mudem de ideia, votariam em Moroni; 45% anulariam seu voto ou votariam em branco. Entre os que hoje votariam em Moroni mas não estão totalmente decididos 77% votariam em Luizianne em caso de mudança; 20% votariam nulo ou em branco.

A maioria (54%) dos eleitores de Fortaleza acha que Luizianne vai ser eleita prefeita em 31 de outubro. Para 32%, Moroni será o vitorioso.

Indagados a respeito dos nomes dos candidatos a vice nas chapas dos dois postulantes ao cargo de prefeito, 4% do total de entrevistados acertam o nome do companheiro de chapa de Luizianne (José Carlos Veneranda da Silva) e 3% o nome do vice de Morani (Rosa Virginia Veras Frota). Entre os que declaram intenção de votar em Luizianne, 6% respondem corretamente o nome de seu vice; entre os que pretendem votar em Moroni, 4% dão respostas corretas.

O desempenho de Luizianne no horário eleitoral gratuito, que teve início no último dia 11, é aprovado por 70% dos eleitores que viram a propaganda da candidata. Para 19% ela vem tendo um desempenho regular e 5% consideram a atuação da candidata ruim ou péssima.

A aprovação a Moroni Torgan é de 58%; consideram-no regular 24% e desaprovam seu desempenho 13%.

Dizem ter visto a propaganda na TV 55% dos eleitores entrevistados.

Entre os eleitores que votariam hoje em Luizianne, 86% sabem o número (13) a ser digitado na urna eletrônica para confirmar seu voto para prefeito no dia 31 de outubro. Citam números incorretos 2% e não arriscam uma resposta 12%. Entre os que votariam em Moroni, 87% informam corretamente o número do candidato (25). Citam outros números 3% e não sabem que número devem digitar 10%.

Apoio de Inácio Arruda é mais positivo do que os de Lula, Lúcio, Juraci e Tasso

O Datafolha questionou os entrevistados sobre a influência do apoio de cinco personalidades da política nacional a um candidato a prefeito: o presidente Lula, o atual governador do Ceará, Lúcio Alcântara, o ex-governador Tasso Jereissati, o prefeito de Fortaleza, Juraci Magalhães, e Inácio Arruda, que ficou em terceiro lugar no primeiro turno da eleição.

Inácio Arruda tem influência positiva e negativa em grau similar. Por outro lado, entre os cinco políticos incluídos na pesquisa, é aquele cujo apoio rende mais votos : o apoio do candidato do PC do B poderia levar 27% a votar em um candidato; 28% não votariam em um candidato apoiado por ele. Ficariam indiferentes 40%. O partido do candidato declarou apoio à candidata do PT, Luizianne Lins, esta semana.

Poderiam votar em um candidato apoiado por Tasso Jereissati 23%; não votariam em um candidato apoiado por ele 29%, e se dizem indiferentes a esse apoio 42%.

O apoio do presidente Lula a um candidato a prefeito no segundo turno da eleição poderia levar 19% dos eleitores de Fortaleza a votar nele; esse percentual é idêntico ao dos que dizem que não votariam em um candidato apoiado pelo presidente. A maioria (56%) se declara indiferente a esse apoio.

Dizem que votariam em um candidato apoiado pelo governador Lúcio Alcântara 15%. Esse apoio faria 24% dos entrevistados não votarem nesse candidato e não faria diferença para 55%.

O prefeito Juraci Magalhães têm uma influência predominantemente negativa: um candidato apoiado por ele seria rejeitado por 49% dos eleitores de Fortaleza. Votariam nesse candidato 10% e ficariam indiferentes 37%.

São Paulo, 15 de outubro de 2004.

Baixe esta pesquisa