Saltar para o conteúdo principal

Na véspera do primeiro turno da eleição, José Fogaça tem 41% dos votos válidos; Maria do Rosário e Manuela empatam no limite da margem de erro

Eleições -

Na véspera do primeiro turno da eleição para prefeito de Porto Alegre, José Fogaça, atual ocupante do cargo, tem 41% dos votos válidos. Maria do Rosário, do PT, tem 21% e Manuela, do PC do B, 17% dos votos válidos. As candidatas empatam, em razão da margem de erro da pesquisa, que é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. No entanto, o empate se dá no limite da margem de erro: a candidata do PC do B pode ter entre 15% e 19% dos votos válidos, e a candidata do PT, entre 19% e 23% dos válidos. Ou seja, a deputada comunista, atinge, no máximo, o percentual mínimo obtido pela petista. Dessa forma, é mais provável que Maria do Rosário esteja à frente de sua adversária.

O Datafolha ouviu 1779 eleitores, a partir dos 16 anos de idade, nos dias 3 e 4 de outubro.

Ainda considerando os votos válidos, vêm a seguir, Luciana Genro, do PSOL, com 9%, Onyx, do DEM, com 7%, Nelson Marchezan Junior, do PSDB, com 2% e Vera Guasso, do PSTU, com 1%. Carlos Gomes, do PHS, foi citado, mas não atinge 1% dos votos válidos.

A Justiça Eleitoral divulga os resultados oficiais da eleição com base nos votos válidos, excluindo brancos, nulos e abstenções. Para o cálculo destes votos, o Datafolha exclui da amostra, além dos votos brancos e nulos, os eleitores que se declaram indecisos.

Levando-se em consideração o total de votos, José Fogaça tem 37% das preferências. Na pesquisa anterior, realizada nos dias 29 e 30 de setembro, o peemedebista tinha 35%. Maria do Rosário oscilou de 20% para 19% e Manuela oscilou de 18% para 16% das intenções de voto.

O percentual de intenção de voto em Luciana Genro oscilou de 7% para 8% e Onyx oscilou de 8% para 6%. Nelson Marchezan oscilou de 1% para 2% e Vera Guasso se manteve com 1% das intenções de voto. Carlos Gomes não atingiu 1% das menções.

Na véspera da eleição, 10% dos eleitores de Porto Alegre ainda não têm candidato a prefeito: 6% afirmam que vão votar nulo ou em branco e 4% estão indecisos.

O percentual de menções espontâneas a José Fogaça subiu de 27% na pesquisa anterior para 32% hoje, maior taxa obtida pelo candidato nessa série de pesquisas. O percentual dos que dizem espontaneamente que vão votar em Maria do Rosário oscilou de 15% para 16%. Manuela, por sua vez, viu sua taxa de intenção de voto espontânea oscilar dois pontos para baixo, de 13% para 11%. A taxa dos que não sabem dizer espontaneamente em quem vão votar no primeiro turno da eleição para prefeito de Porto Alegre caiu de 28% para 22%.

Na véspera da eleição, 36% dos eleitores que pretendem reeleger o prefeito José Fogaça não sabem dizer qual número devem digitar na urna eletrônica para transformar sua vontade em voto. O percentual dos que citam corretamente o número do prefeito (15), que era de 53% na pesquisa anterior, é hoje de 61%.

A taxa dos que pretendem votar em Maria do Rosário e sabem que devem digitar o número 13 para confirmar seu voto subiu de 64% para 75%. Cerca de um quarto (23%) ainda não sabe o número da candidata. A petista continua levando vantagem sobre sua principal adversária nesse aspecto: entre os que pretendem votar em Manuela a taxa dos que citam corretamente o número 65 é 10 pontos menor, embora tenha subido de 58% para 65%; não sabem dizer o número da candidata do PC do B 32%.

Dos eleitores de Porto Alegre que declaram intenção de votar em um candidato ou que pretendem votar em branco ou anular, 13% afirmam que seu voto ainda pode mudar até domingo. Declaram total convicção em sua escolha 86%.
Entre os que têm intenção de votar em Manuela, 19% afirmam que seu voto ainda pode mudar. Entre os que pretendem votar em Maria do Rosário, 8% dizem que ainda não estão totalmente decididos, e entre os eleitores de José Fogaça 9% afirmam que ainda podem mudar de ideia.

Dos que pretendem votar em Manuela, mas afirmam que seu voto ainda pode mudar, 8% afirmam que José Fogaça seria o candidato com mais chance de receber seu voto; 4% citam Maria do Rosário. Entre os eleitores que pretendem votar na candidata petista, mas não estão totalmente decididos, José Fogaça é citado por 3% e Manuela é apontada por 2% como a candidata com mais chance de receber seu voto.

Entre os que pretendem votar em José Fogaça e ainda não estão totalmente decididos, 3% provavelmente votariam em Manuela; Maria do Rosário é citada por 2% desses entrevistados.

A pesquisa mostra estabilidade quanto às simulações de segundo turno. Se uma segunda votação fosse realizada hoje entre José Fogaça e Maria do Rosário, 52% dos eleitores de Porto Alegre votariam no peemedebista. A petista receberia o voto de 35%. No levantamento anterior, ele obtinha os mesmos 52% e ela atingia 38%.

Fogaça receberia o apoio de 60% dos eleitores que declaram intenção de votar em Onyx no primeiro turno. Dos que pretendem votar em Manuela, 43% votariam em Maria do Rosário e 41% dariam seu voto ao atual prefeito. Os eleitores de Luciana Genro também se mostram divididos: 43% optariam pela petista e 37% dariam seu voto ao peemedebista.

No caso de uma disputa entre Fogaça e Manuela, o peemedebista teria 52% e a candidata do PC do B ficaria com 32% do total de votos.

Nesse caso, 55% dos eleitores de Onyx dariam seu voto a Fogaça. Manuela teria a maior parte dos votos dos eleitores de Maria do Rosário (44%); dos que pretendem votar em Luciana Genro, 42% votariam no atual prefeito e 31% dariam seu voto à candidata do PC do B.

Os pesquisadores do Datafolha saíram a campo um dia depois do debate entre os candidatos a prefeito promovido pela RBS TV, na quinta-feira, 2 de outubro. A pesquisa mostra que 46% dos eleitores de Porto Alegre afirmam ter assistido o debate. Para 29% dos que assistiram, José Fogaça foi o candidato que se saiu melhor. Manuela foi considerada a melhor por 17%, percentual ligeiramente maior do que as taxas obtidas por Maria do Rosário (14%) e Luciana Genro (13%).

São Paulo, 4 de outubro de 2008.

Baixe esta pesquisa