Saltar para o conteúdo principal

44% das mulheres evitam falar de sexo em paquera por aplicativos, contra 18% dos homens

Mercado -

Pesquisa realizada pelo Datafolha em parceria com a startup Omens, com 999 internautas brasileiros adultos de todas as regiões do país, mostra as diferenças de comportamento entre homens e mulheres na hora da paquera.

Quando interessados em ficar ou sair com alguém, 31% evitam falar sobre sexo nos aplicativos de paquera (esse índice é mais alto entre as mulheres do que entre os homens, respectivamente 44% e 18%), 26% evitam falar sobre sexo antes do primeiro encontro (27% entre os homens, ante 25% entre as mulheres), 24% esperam que o(a) parceiro(a) tome a iniciativa e fale sobre sexo (26% entre os homens, ante 23% entre as mulheres) e 18% costumam puxar assunto sobre sexo (29% entre os homens, ante 8% entre as mulheres).

A expectativa de ter relação sexual no primeiro encontro desperta o sentimento de pressão em 32% dos internautas. Desses, 11% se sentem muito pressionados em propiciar uma experiência única ao parceiro (entre os homens esse sentimento é mais alto do que entre as mulheres, respectivamente, 14% a 8%) e 21% se sentem pressionados porque não têm intimidade suficiente com o parceiro (entre as mulheres esse sentimento é mais alto do que entre os homens, respectivamente, 27% a 14%);

Com a expectativa de ter relação sexual com o(a) novo(a) parceiro, a maior parcela (68%) se sente mais relaxada e evita se pressionar. Desses, uma fração de 16% declarou que não se pressiona e foca na própria experiência, 16% não se pressionam e esperam ser surpreendidos pelo(a) parceiro(a) e 36% tentam relaxar e evitar grandes expectativas (entre os homens esse índice alcança 41% ante 32% entre as mulheres).

Após a primeira experiência sexual com o(a) nova(a) parceiro(a), três em cada dez internautas (29%) esperam que o(a) parceiro(a) entre em contato no dia seguinte - entre as mulheres esse índice é mais alto do que entre os homens (43% ante 14%). Um quarto (22%) costuma entrar em contato no dia seguinte mesmo que a relação sexual não tenha sido boa, 17% entram em contato apenas se a relação sexual foi boa, 16% entram contato para saber o que o(a) parceiro(a) achou da experiência e 16% dão alguns dias antes de entrar em contato.

A pesquisa foi realizada nos dias 05 e 07 de maio de 2021, através de entrevistas online, via painel de internautas, mediante questionário estruturado de autopreenchimento.

Baixa a pesquisa completa