49% dos eleitores de SP não têm interesse em horário eleitoral gratuito na TV

Eleições -

Metade (49%) dos eleitores paulistanos não tem interesse no horário eleitoral gratuito dos candidatos a prefeito exibido na TV. Há 17%, por outro lado, com grande interesse, e 33% têm um pouco de interesse. Entre os mais jovens, apenas 10% têm muito interesse, índice que alcança 21% na faixa de 35 a 44 anos. No eleitorado que declara voto em Bruno Covas (PSDB), 47% não têm interesse no horário eleitoral, ante 49% entre os potenciais eleitores de Celso Russomanno (Republicanos), 33% dos que pretendem votar em Guilherme Boulos e 42% dos que preferem Marcio França.

Leia mais »

Maioria em quatro capitais pretende se vacinar contra covid-19

Opinião Pública -

A maioria (79%) dos eleitores paulistanos pretende se vacinar contra a covid-19 quando uma vacina estiver disponível, e 17% dizem que não pretendem se vacinar, além de 4% que não responderam. Questionados se a vacina deveria ser obrigatória para todos os brasileiros, 72% em São Paulo acreditam que deveria, e para 27% não deveria.

Leia mais »

28% aprovam gestão Covas em SP

Opinião Pública -

A gestão de Bruno Covas (PSDB) à frente da Prefeitura de São Paulo é avaliada como ótima ou boa por 28% dos eleitores paulistanos, oscilação positiva na comparação com pesquisa realizada entre 21 e 22 de setembro, quando esse índice era de 25%. No mesmo período, a avaliação regular passou de 45% para 42%, e a taxa dos que consideram o desempenho do tucano ruim ou péssimo se manteve em 27%, com 3% dos eleitores sem opinião sobre o assunto.

Leia mais »

Crivella é reprovado por 62% no Rio

Opinião Pública -

A maioria dos eleitores cariocas (62%) avalia como ruim ou péssima a gestão de Marcelo Crivella (Republicanos) à frente da Prefeitura do Rio de Janeiro. Uma parcela de 25% avalia como regular, 12% avaliam como ótimo ou bom e 1% não opinou. Na comparação com a pesquisa anterior, de dezembro de 2019, a avaliação do governo Crivella melhorou. Naquela data, 72% avaliavam como ruim ou péssima a gestão, 20% avaliavam como regular e 8%, como ótima ou boa. Na época a prefeitura enfrentava uma grave crise financeira com reflexos nos serviços de saúde.

Leia mais »