Saltar para o conteúdo principal

Na largada do 2º turno, Aécio (46%) e Dilma (44%) estão empatados

Eleições -

Segundo colocado no 1º turno da disputa presidencial, Aécio Neves (PSDB) inicia a disputa da segunda fase da eleição com a preferência de 46% dos eleitores brasileiros. Na votação do último domingo, ele teve 30% do total de votos no país. Esse resultado o coloca em empate técnico com Dilma Rousseff (PT), que tem 44% das intenções de voto. Na votação do 1% turno, a petista obteve o voto de 38% dos eleitores. Declaram votar branco ou nulo 4%, e 6% ainda não decidiram em quem votar.

Nos segmentos de idade analisados, Aécio tem maior vantagem sobre Dilma entre os mais jovens (52% a 38%). A petista tem maior votação entre os menos escolarizados (54% a 35%), e fica atrás entre aqueles que estudaram até o ensino médio (50% para Aécio, ante 41% para Dilma) e entre os mais escolarizados (60% a 30%).

Entre os mais pobres, com renda de até 2 salários mínimos, 52% preferem Dilma, e 37%, o candidato do PSDB. Nos estratos de renda acima de 2 salários, Aécio aparece à frente, com vantagem crescente conforme o aumento do rendimento. Entre os mais ricos, ele aparece com 69%, ante 24% de Dilma.

Na região Sudeste, a vantagem de Aécio alcança 21 pontos (55% a 34%). Ele também fica à frente no Sul (50% a 41%) e no Centro Oeste (55% a 33%), enquanto Dilma se sai melhor no Nordeste (60% a 31%) e no Norte (56% a 37%). Esses resultados mostram que, no 2º turno, os candidatos tendem a ampliar vantagens regionais obtidas no último domingo.

Segundo dados da Justiça Eleitoral, Dilma teve sua maior votação, no 1º turno, na região Nordeste (54% do total de votos, ante 14% de Aécio e 20% de Marina Silva) e também superou os demais na região Norte (teve 47%, Aécio ficou com 26%, e Marina, 18%). O tucano teve seu melhor desempenho no Sul (43%, ante 33% de Dilma e 12% de Marina), e também ficou à frente no Sudeste (35%, contra 29% de Dilma e 21% de Marina).e no Centro Oeste (38%, contra 30% de Dilma e 22% de Marina).

Considerando os votos, sem nulos, brancos e indecisos, Aécio fica com 51%, e Dilma, com 49%. Para o cálculo dos votos válidos são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição. No 1º turno, Dilma teve 42% dos votos válidos, e Aécio, 34%.

Nesse levantamento, realizado entre os dias 08 e 09 de outubro de 2014, o Datafolha entrevistou 2.879 eleitores em 178 cidades em todas as regiões do Brasil. A margem de erro máxima é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, para o total da amostra.

Entre os eleitores que declaram intenção de votar, 84% sabem o número de seu candidato à Presidência. Na fatia dos que preferem Dilma, 91% citam seu número corretamente, e entre os que indicam votar em Aécio, 79%.

O candidato do PSDB se tornou mais conhecido pelo eleitorado com sua passagem para a segunda etapa da eleição. Atualmente, 93% o conhecem, sendo que 21% declaram o conhecer muito bem, 34%, um pouco, e 38%, só de ouvir falar. Em pesquisa realizada às vésperas da eleição, 89% do eleitorado conhecia Aécio Nevem em algum grau. Sua adversária, porém, segue mais conhecida: 99% conhecem Dilma Rousseff, sendo que 44% a conhecem muito bem, 36%, um pouco, e 19%, só de ouvir falar.

A avaliação de aceitação e rejeição das duas candidaturas que disputam o 2º turno mostra que 43% dos eleitores não votariam de jeito nenhum na candidata do PT, índice próximo ao dos que votariam com certeza (42%). Há ainda 14% que poderiam votar em Dilma.

A comparação com Aécio mostra que o tucano tem mais espaço para avançar: 34% não votariam nele de jeito nenhum, 43% votariam com certeza, e 22% poderiam votar. Entre os indecisos, 23% rejeitam Dilma, e 57% poderiam escolhê-la no 2º turno. No mesmo grupo, 16% rejeitam Aécio, e 61% poderiam optar por seu nome.

Entre os eleitores que consideram o governo Dilma Rousseff regular (38% do eleitorado), 49% não votariam de jeito nenhum na petista, 28% votariam com certeza, e 22% poderiam votar.

Apoio de Marina atrai voto de 16%, e rejeição de 13%

O apoio de Marina Silva a um dos dois candidatos que disputam a Presidência atrai e tira votos em proporção similar. De acordo com 16% dos eleitores, o apoio da política do PSB a um candidato poderia os levar a escolher esse candidato. Uma fatia de 13% indica que o apoio faria com que não votassem no candidato apoiado por ela. Para dois em cada três eleitores (67%), porém, o apoio de Marina seria indiferente na decisão de voto.

Questionados sobre quem Marina Silva deveria apoiar no 2º turno, 52% indicaram Aécio Neves, e 33%, Dilma Rousseff. Há ainda 6% que avaliam que ela não deveria não apoiar nenhum deles, e 9%¨não opinaram.

O Datafolha também questionou os eleitores sobre quem Marina deverá, de fato, apoiar, e 72% apontaram o nome de Aécio Neves. Os demais se dividiram entre os que apontaram Dilma (12%), aqueles que não têm opinião sobre o assunto (13%) e os que avaliam que não apoiara ninguém (3%).

A maioria dos eleitores (73%) quer que as ações do próximo presidente sejam na maior parte diferentes das ações do atual presidente, e 24% quer que sejam na maior parte iguais. Uma fatia de 3% não opinou. Questionados sobre quem é o mais preparado para realizar mudanças no Brasil, 47% apontam Aécio, e 42%, Dilma. Para 5%, nenhum deles está preparado para realizar mudanças no país, e 6% não responderam.

Governo dilma é aprovado por 39%

O governo da presidente Dilma Rousseff (PT) é aprovado por 39% dos eleitores brasileiros, reprovado por 22%, e considerado regular por 38%. Há ainda 1% que não opinou sobre o assunto. Na comparação com levantamento realizado entre 01 e 02 de outubro, os índices de avaliação da petista ficaram estáveis, com variações dentro da margem de erro.

Nas diferentes faixas de idade que compõem o eleitorado, Dilma tem seu índice mais baixo de aprovação entre os mais jovens (33%). Sua taxa de avaliação negativa também fica abaixo da média entre aqueles que possuem ensino superior (26%), na fatia dos mais ricos (23%), e entre os eleitores do Sudeste (31%) e do Centro-Oeste (32%). Entre os mais pobres, a aprovação à gestão da petista fica acima da média (46%), bem como entre os menos escolarizados (50%) e nas regiões Nordeste (51%) e Centro Oeste (50%).

Entre os eleitores que pretendem votar em Aécio no 2º turno, 45% consideram o governo Dilma regular, 42%, ruim ou péssimo, e 12%, ótimo ou bom. Na parcela do eleitorado que prefere Dilma, 72% avaliam seu governo como ótimo ou bom, 26%, como regular, e 1%, como ruim ou péssimo.

De 0 a 10, a nota média atribuída atualmente ao governo Dilma Rousseff é 6,2, ante 6,0 no último levantamento.

BAIXE OS DADOS DESTA PESQUISA