Saltar para o conteúdo principal

Cai distância entre Russomano (27%) e Covas (21%) em São Paulo

Eleições -

Com 27% das intenções de voto, Celso Russomanno (Republicanos) lidera a disputa pela Prefeitura de São Paulo tendo como oponente mais próximo Bruno Covas (PSDB), que aparece com 21%. O resultado mostra um empate no limite da margem de erro da pesquisa, que é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Na comparação com pesquisa realizadas entre 21 e 22 de setembro, diminuiu a distância entre Russomano, que liderava com 29%, e Covas, que tinha 20%. Atrás do atual prefeito aparecem Guilherme Boulos (PSOL), que passou de 9% para 12% desde setembro, e Márcio França (PSB), que manteve a preferência de 8% no mesmo período.

Em um patamar mais baixo estão Arthur do Val (Patriota), com 3%, Levy Fidelix (PRTB) e Andrea Matarazzo (PSD) ambos com 2%, e Vera (PSTU), Joice Hasselmann (PSL), Jilmar Tatto (PT), Marina Helou (Rede), Orlando Silva (PCdoB), Sabará (Novo) e Antonio Carlos (PCO), com 1%, cada. Há 12% que pretendem votar em branco ou anular, e 4% não souberam opinar.

Russomanno tem vantagem maior entre os jovens de 16 a 24 anos, segmento no qual alcança 35% das intenções de voto, seguido por Boulos (17%), Bruno Covas (14%) e Artur do Val (10%). Na faixa seguinte, de 25 a 34 anos, o deputado do Republicanos é escolhido por 26%, com Boulos (19%) e Covas (16%) na sequência. Na faixa de 45 a 59 anos, Russomanno e o atual prefeito empatam (25% a 22%), respectivamente, e o mesmo acontece entre os mais velhos, com 60 anos ou mais (28% a 29%). Entre quem tem de 45 a 59 anos, 11% votariam em Boulos, e 10%, em França. Na faixa de 60 ou mais, 6% votariam no nome do PSOL, e 9%, no pessebista.

Entre os homens, Russomanno tem 12 pontos de vantagem sobre Covas (29% a 17%), e na parcela de mulheres há empate (26% a 25%). Boulos tem 12% em ambos os segmentos. O candidato do Republicanos abre distância dos adversários entre os eleitores que estudaram até o ensino fundamental (36%, contra 23% de Covas, 8% de França e 3% de Boulos), e sua vantagem diminui conforme avança a escolaridade dos eleitores. Entre quem estudou até o ensino médio, 31% votariam em Russomanno, 20%, no atual prefeito, 9%, no nome do PSB, e 7%, no representante do PSOL. No segmento que estudou até o ensino superior, Boulos (26%) e Covas (22%) são os mais bem colocados, e na sequência aparecem Russomanno (16%) e França (8%).

O deputado do Republicanos também tem preferência acima da média entre os mais pobres, com renda familiar de até 2 salários mínimos, na qual tem 34% das intenções de voto, ante 18% de Covas, 8% de França e 5% de Boulos. Na faixa seguinte, com renda familiar de 2 a 5 salários, Russomanno tem 28%, e na sequência estão o atual prefeito (22%), o candidato do PSOL (15%) e o ex-governador Marcio França (7%). Entre quem tem renda de 5 a 10 salários, o tucano lidera, com 28%, seguido por Boulos (19%), Russomanno (11%) e França (11%). No segmento dos mais ricos, com renda familiar acima de 10 salários, Covas (25%) e o representante do PSOL (25%) lideram, e Russomanno (14%) e França (13%) aparecem sequência.

Os evangélicos dão vantagem a Russomanno, com 39% dos eleitores do segmento declarando voto no deputado neste momento, ante 23% que votariam em Covas - os demais ficam abaixo de 10%. Entre os católicos, Russomano e Covas são os mais bem colocados (27% e 24%, respectivamente), e na sequência aparecem França (10%) e Boulos (8%).

O PT é o partido preferido de 15% dos eleitores da capital paulista, e 36% desse grupo de paulistanos mais afinados com a sigla declara intenção de votar no candidato do Republicanos, Celso Russomanno. Há 17% deles que pretendem votar em Covas, outros 17%, em Boulos, e somente 7%, neste momento, declaram voto no petista Jilmar Tatto.

Na pesquisa espontânea, em que os nomes dos candidatos não são apresentados aos eleitores, 49% não citam nenhum deles, índice menor do que no levantamento feito entre 21 e 22 de setembro (57%). Nesse período, as menções a Covas oscilaram de 8% para 10%, Boulos cresceu de 5% para 10%, e Russomanno passou de 5% para 7%. Também foram citados França (3%), Arthur do Val (2%), Matarazzo (1%), Levy Fidelix (1%) e candidato do PT (1%), entre outros com menos de 1%.

Entre os mais jovens, 15% declaram voto no candidato do PSOL espontaneamente, e na faixa de 25 a 24 anos o índice fica em 14%. Na parcela com curso superior, as menções a Boulos somam 21%. Ele também tem declarações de voto espontânea acima da média na faixa de renda familiar de 5 a 10 salários (19%) e entre quem tem renda familiar acima de 10 salários (20%), ou seja, entre os eleitores mais ricos.

O nome de Bruno Covas se destaca entre os mais velhos (17%) e no grupo com renda familiar acima de 10 salários (23%), enquanto Russomanno atinge melhores resultados entre os menos escolarizados (11%) e mais pobres (10%).

Baixa a pesquisa completa