Saltar para o conteúdo principal

Cai reprovação ao congresso

Opinião Pública -

Pesquisa realizada pelo Datafolha em todo o país mostra que a reprovação dos brasileiros aos senadores e deputados federais que estão atualmente no Congresso Nacional caiu 13 pontos em relação a outubro.

A taxa dos que consideram o desempenho dos congressistas ruim ou péssimo caiu de 46% para 33%. Essa queda na reprovação foi acompanhada por um aumento de oito pontos percentuais na taxa dos que consideram o desempenho do Congresso Nacional regular (de 35% para 43%) e por um crescimento de quatro pontos na dos que o classificam como ótimo ou bom (de 12% para 16%).

Assim, a avaliação do Congresso volta a patamar semelhante ao verificado no início de junho do ano passado, antes da eclosão do chamado escândalo do mensalão, no qual vários de seus integrantes se viram envolvidos.

Pesquisa realizada nos dias 31 de maio e 1º de junho mostrava que a atuação dos congressistas era aprovada por 15%, considerada regular por 42% e ruim ou péssima por 36%. A primeira pesquisa realizada após entrevista do ex-deputado Roberto Jefferson à Folha de S. Paulo, na qual ele revelava o suposto pagamento de mesada feito pelo governo a deputados em troca de apoio, e dois dias após o depoimento de Jefferson na Câmara sobre o caso, mostrava um aumento de seis pontos percentuais na reprovação ao Congresso, que chegava a 42%. Em julho essa taxa chegou a 46% e em agosto foi a 48%, o que dava aos atuais senadores e deputados a pior avaliação desde o chamado escândalo do Orçamento, que se tornou público em 1993: em novembro daquele ano, 56% considerava ruim ou péssimo o desempenho dos congressistas que então ocupavam a Casa. Em outubro, a reprovação parou de subir, e oscilou dois pontos para baixo, ficando em 46%.

A pesquisa pode refletir o impacto de recentes medidas Câmara, que extinguiu a remuneração adicional que era paga durante a convocação extraordinária do Congresso Nacional e a redução do recesso parlamentar de 90 para 55 dias.

A reprovação ao Congresso chega a 48% entre os brasileiros com renda familiar mensal acima de dez salários mínimos e a 46% entre os que têm escolaridade superior. No Sul, a reprovação atinge 42%, enquanto nas demais regiões fica dentro da média (31% no Sudeste e no Nordeste, 32% nas regiões Norte e Centro-Oeste).

O Datafolha entrevistou 2590 brasileiros, a partir dos 16 anos de idade, nos dias 1 e 2 de fevereiro de 2006. A margem de erro máxima, para o total da amostra, é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Baixe esta pesquisa