Saltar para o conteúdo principal

79% dos cariocas reprovam atitude de amarrar jovem a poste; 17% aprovam

Opinião Pública -

Pesquisa Datafolha mostra que a ampla maioria dos cariocas reprovou a ação promovida por alguns moradores do bairro do Flamengo, na zona sul do Rio de Janeiro, que espancaram e amarraram um adolescente suspeito de ter cometido furtos e roubos no bairro.

Para 79% dos entrevistados, as pessoas que amarraram o jovem ao poste depois de agredi-lo agiram mal. Outros 17% acreditam que agiram bem, e 5% não souberam responder. A taxa de aprovação é mais alta entre homens do que entre as mulheres, respectivamente, 23% contra 11%.

A respeito do conhecimento sobre o assunto, oito a cada dez cariocas declararam estarem informados (83%). Desses, 48% responderam estarem bem informados, 28% mais ou menos informados e 7% mal informados.

Nesse levantamento, realizado nos dias 13 e 14 de fevereiro de 2014, foram feitas 645 entrevistas junto a moradores da cidade do Rio de Janeiro. A margem de erro máxima é de 4 pontos percentuais, para mais ou para menos.

A reprovação por parte da maioria da população às ações violentas, como forma de solucionar o problema da violência, é historicamente observada.

Pesquisas Datafolha anteriores, referentes ao massacre do Carandiru, em São Paulo, e ao sequestro do Ônibus 147, no Rio de Janeiro, ilustram essa reprovação.

Em junho de 2000, o Datafolha perguntou aos paulistanos se a polícia agiu bem ao matar o sequestrador do ônibus 174, Sandro do Nascimento. Para 54% a polícia agiu mal, para 41%, agiu bem, e 5% não souberam responder.

No episódio do massacre do Carandiru, no qual 111 presos morreram na ação da polícia militar na tentativa de acabar com uma rebelião no presídio, foram feitas duas pesquisas, uma em 1992 e outra em 2013.

Em 1992, 29% declararam que a polícia agiu bem, 53% que agiu mal e 18% não souberam responder, já em 2013, esses índices foram, respectivamente, 36%, 54% e 10%.

Dados e informações sobre a pesquisa também podem ser encontrados matéria na Folha

Baixe esta pesquisa