Saltar para o conteúdo principal

Serra e Marta continuam empatados na liderança

Eleições -

A quatro dias do primeiro turno da eleição para prefeito de São Paulo, José Serra (PSDB) e Marta Suplicy (PT), seguem empatados na liderança da disputa, segundo pesquisa realizada pelo Datafolha nesta quarta-feira, 29 de setembro. Serra e Marta têm hoje, 34% das intenções de voto, cada um. Em relação à pesquisa anterior, realizada no último dia 24, ambos oscilaram um ponto percentual para baixo.

A intenção de voto em Paulo Maluf (PP) se manteve em 12%, e a intenção de voto em Luiza Erundina (PSB) oscilou de 4% para 5%.

Vêm a seguir os candidatos Francisco Rossi (PHS) e Paulinho (PDT), com 2% das intenções de voto, cada, e Dra. Havanir (PRONA), com 1% das preferências. Anaí Caproni (PCO), Ciro (PTC), Dirceu Travesso (PSTU), João Manuel (PSDC), Osmar Lins (PAN), Penna (PV) e Professor Walter Canoas (PCB) foram citados, mas não atingiram 1%. Se a eleição fosse hoje, 4% anulariam o voto e 5% não saberiam em quem votar.

O Datafolha ouviu 1704 eleitores que moram na cidade de São Paulo. A margem de erro máxima da pesquisa, para o total da amostra, é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

As variações mais significativas, em relação aos segmentos do eleitorado, se deram em dois estratos nos quais José Serra vem obtendo suas maiores taxas de intenção de voto e nos quais é maior sua vantagem sobre Marta Suplicy.

Entre os que têm renda familiar mensal superior a 10 salários mínimos Serra perdeu sete pontos percentuais, enquanto Marta ganhou oito. A intenção de voto em Serra entre os eleitores de maior renda passou de 48% no dia 24 para 41% hoje; a taxa dos que pretendem reeleger Marta passou de 24% para 32%, maior percentual obtido pela petista nesse segmento.

Entre os eleitores com escolaridade superior a intenção de voto no peessedebista passou de 46% para 41%, enquanto a preferência por Marta passou de 27% para 30%. Também foram verificadas variações positivas em relação a Maluf (de 7% para 10%) e a Erundina (de 4% para 8%).

Em relação à pesquisa anterior, o percentual de eleitores que declaram, espontaneamente, que vão votar em Marta para prefeita oscilou para cima, de 28% para 29%, enquanto a taxa dos que dizem de maneira espontânea que vão votar em Serra oscilou para baixo, de 28% para 27%. A intenção de voto espontânea é investigada antes que seja apresentado ao entrevistado um cartão circular com os nomes de todos os candidatos a prefeito.

A taxa dos que citam Maluf espontaneamente oscilou de 8% para 9% e a dos que citam Luiza Erundina se manteve em 3%.

Um quarto (25%) dos eleitores da capital paulista não sabe dizer espontaneamente em quem pretende votar para prefeito no dia 3 de outubro. Afirmam que vão votar em branco ou anular o voto 4%.

Em simulação de segundo turno, Serra tem 51% e Marta 40%

Se José Serra e Marta Suplicy disputassem hoje o segundo turno da eleição para prefeito, 50% dos eleitores da capital paulista votariam no peessedebista e 40% votariam pela reeleição da petista. Em relação à pesquisa anterior, Serra manteve o mesmo percentual e Marta oscilou um ponto percentual para baixo.

A maioria dos eleitores que declaram intenção de votar em Paulo Maluf no primeiro turno da eleição continua optando por Serra no caso de um segundo turno disputado entre o peessedebista e a atual prefeita: hoje, 72% votariam no candidato do PSDB, taxa que era de 68% na pesquisa anterior. A taxa de eleitores de Maluf que votariam em Marta em um segundo turno contra Serra oscilou de 15% para 13%.

Entre os eleitores que votam em Luiza Erundina no primeiro turno, 47% votariam em Serra e 40% em Marta em um segundo turno disputado entre esses dois candidatos. O percentual de eleitores de Erundina que votariam no peessedebista era de 42% na pesquisa anterior; a dos que votariam na petista não se alterou.

23% admitem mudar voto até domingo

Faltando quatro dias para o primeiro turno da eleição, 23% dos eleitores da capital paulista que declaram intenção de votar em algum candidato ou que dizem que pretendem votar em branco ou anular o voto, admitem que ainda podem mudar de ideia até domingo.

Os mais decididos são os que têm intenção de votar em Marta Suplicy: 84% dos eleitores da petista afirmam que seu voto não vai mudar. Essa taxa é de 76% entre os eleitores de Maluf e de 75% entre os de Serra. O menor grau de decisão é verificado entre os que, hoje, têm intenção de votar em Luiza Erundina: 57% afirmam que estão totalmente decididos e 41% dizem que seu voto ainda pode mudar.

Os votos dos eleitores que ainda não estão totalmente decididos se distribuiriam, principalmente, entre Serra (29%) e Marta (25%).

Dos eleitores que hoje votariam em Maluf, mas não estão totalmente decididos, 60% afirmam que Serra seria o candidato com mais chances de receber seu voto caso mudem de ideia. Marta é citada como segunda opção por 17% dos eleitores que hoje têm intenção de votar no ex-prefeito.

Entre os eleitores de Luiza Erundina que admitem a possibilidade de mudar, 31% afirmam que provavelmente votarão em Marta, caso mudem de idéia; 26% desses eleitores citam Serra como candidato com mais chances de ser beneficiado por essa mudança.

Quando indagados a respeito do número que devem digitar na urna eletrônica para confirmar seu voto para prefeito em 3 de outubro, 81% dos eleitores de Marta (número 13) e 80% dos eleitores de Maluf (número 11) respondem corretamente. Entre os que têm intenção de votar em José Serra (número 45) essa taxa é de 76%. Entre os eleitores de Luiza Erundina (número 40) verifica-se o menor percentual de conhecimento do número a ser digitado para confirmar o voto: 53% respondem corretamente, 2% dão respostas incorretas e 44% sequer arriscam um palpite.

Taxas de rejeição se mantém estáveis

As taxas de rejeição dos candidatos a prefeito que ocupam as três primeiras colocações na disputa pela prefeitura se mantiveram estáveis em relação à pesquisa de 24 de setembro.

O percentual dos que não votariam em Paulo Maluf para prefeito de jeito nenhum oscilou de 51% para 49% e a taxa de rejeição a Marta Suplicy permaneceu idêntica à verificada anteriormente (31%). A rejeição a José Serra se manteve em 15%.

A única variação fora da margem de erro da pesquisa, de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, se deu em relação a Luiza Erundina, que tem 5% das intenções de voto: a taxa de rejeição à ex-prefeita caiu de 21% para 18%, menor taxa registrada nessa série de pesquisas realizadas pelo Datafolha, que teve início em março.

Afirmam que rejeitam todos ou não votariam em nenhum dos candidatos 2%, e dizem que votariam em qualquer um deles 4%. Não souberam responder 5% dos entrevistados.

Serra continua em queda na zona norte; diminui vantagem de Marta na zona leste

José Serra (PSDB) e Marta Suplicy (PT), com 34% das intenções de voto, cada, continuam empatados na disputa pela prefeitura da capital paulista, segundo pesquisa do Datafolha realizada no último dia 29 de setembro. Levantamento realizado no dia 24 mostrava ambos os candidatos com 35% das intenções de voto.

A análise dos resultados da mais recente pesquisa a partir da divisão da cidade em oito regiões mostra que, em relação ao levantamento anterior, Serra viu sua vantagem sobre Marta diminuir na zona norte, algo que vem acontecendo desde o dia 10 de setembro. Já na zona leste, ocorreu o inverso: a vantagem da petista sobre o peessedebista é menor hoje do que na sexta-feira passada.

Na zona norte, como um todo, que concentra 20,01% do eleitorado da cidade, a preferência por Serra continua caindo, enquanto Marta segue conquistando votos. Em 10 de setembro, José Serra tinha 44% e Marta 23% das intenções de voto nessa região, uma vantagem de 21 pontos percentuais para o peessedebista. Desde então Serra vem caindo, enquanto Marta segue em curva ascendente. Hoje, Serra tem 35% e Marta 34% das intenções de voto na zona norte, resultado quase idêntico ao verificado entre o total dos eleitores da cidade.

Essa movimentação de votos na zona norte se deve principalmente à região norte 2, da qual fazem parte, entre outros distritos, Casa Verde, Freguesia do Ó e Jaraguá. A pesquisa de sexta-feira passada mostrava ambos os candidatos com 34% das intenções de voto. Hoje, Marta, com 38%, supera Serra, que tem 31% das intenções de voto.

Na região norte 1, que abrange distritos como Santana, Jaçanã e Vila Maria, verifica-se estabilidade, com vantagem para o peessedebista. Em relação ao levantamento de sexta-feira passada, Serra oscilou de 40% para 39%, enquanto Marta continuou com 28% das intenções de voto.

Na zona leste, onde se concentra a maior parte do eleitorado (34,79%), assim como na zona norte, o resultado também é parecido com o registrado entre o total do eleitorado: Marta tem 34% e Serra 33% das intenções de voto. Em relação ao levantamento anterior, a petista oscilou dois pontos para baixo, enquanto Serra oscilou um ponto para cima.

Na região leste 1, que abrange distritos mais próximos do centro, como Tatuapé, Belém e Mooca, Serra oscilou de 37% para 38%, enquanto Marta passou de 28% para 25% das intenções de voto. Assim, a vantagem do peessedebista sobre a petista, que era de nove pontos na sexta-feira, é hoje de 13 pontos percentuais.

Na parte da zona leste mais pobre e mais distante do centro, a leste 2, de distritos como Cidade Tiradentes, Itaquera e São Miguel, a disputa não se alterou entre as duas últimas pesquisas: Marta continua à frente, tendo oscilado de 43% para 42%, seguida por Serra, que permaneceu com 28% das intenções de voto.

Não foram verificadas alterações significativas nas zonas sul e oeste.

Na zona sul como um todo (31,45% do eleitorado), Marta manteve os 36% obtidos na última pesquisa, enquanto Serra oscilou de 33% para 32% das intenções de voto.

Na parte mais rica da zona sul, a sul 1, região na qual Serra vem liderando com razoável vantagem desde 10 de setembro, o peessedebista oscilou de 43% na pesquisa de sexta-feira para 42% no levantamento de ontem, enquanto Marta passou de 20% para 23% das intenções de voto.

Na sul 2, mais pobre e periférica, formada por distritos como Jardim Ângela, Capão Redondo e Campo Limpo, Marta se manteve com 42% das intenções de voto; Serra oscilou de 29% para 28%.

Na zona oeste, que tem o menor percentual de eleitores na cidade (6,09%), Serra oscilou de 44% para 43% e Marta permaneceu com 34% das intenções de voto.

O reduzido número de entrevistas correspondentes ao centro não permite uma análise estatística segura para a região.

A pesquisa mostra que a rejeição a Marta Suplicy é maior nas regiões leste 1 (onde Serra está 13 pontos percentuais à frente da petista no que diz respeito às intenções de voto) e norte 1, e fica abaixo da média nas regiões norte 2, leste 2 e sul 2. As taxas de rejeição a José Serra não apresentam contraste significativo quando se analisam os resultados por regiões da cidade.

Na região leste 1 o percentual de eleitores que não votariam na petista de jeito nenhum é de 42%, 11 pontos superior à verificada entre o total do eleitorado, que é de 31%.

Na região norte 1 a rejeição à prefeita chega a 41%, dez pontos maior do que a verificada entre o total de eleitores da cidade.

A rejeição a Marta é de 23% nas regiões norte 2 e leste 2, oito pontos abaixo da média. Na sul 2 essa taxa é de 24%, sete pontos abaixo da média. Nas regiões leste 2 e sul 2 o percentual de intenção de voto em Marta (42%) é 14 pontos superior ao verificado por Serra (28%).

O percentual de eleitores que não votariam de forma alguma em Serra fica ligeiramente acima da média nas regiões sul 2 e oeste, chegando a 18% em ambas. Na sul 1 a rejeição a Serra é de 11%, quatro pontos abaixo da média. Nessa região, o percentual de intenção de voto no peessedebista (42%) é 19 pontos superior ao obtido por Marta (23%).

Paulo Maluf (PP), que está em terceiro lugar na disputa pela prefeitura, com 12% das intenções de voto, e que tem a maior taxa de rejeição (49%), enfrenta maior repúdio por parte dos eleitores da zona oeste, onde a taxa dos que dizem que não votariam de forma alguma nele chega a 61%, 12 pontos acima da média. Na zona sul como um todo a rejeição a Maluf fica ligeiramente acima da média (52%). Ela fica abaixo da média na parte mais rica, a sul 1 (44%) e acima da média na parte mais pobre, a sul 2 (56%). A rejeição a Maluf fica abaixo da média na zona norte (46%), em especial na região norte 1 (42%).

A pesquisa foi realizada no dia 29 de setembro e foram entrevistados 1704 eleitores que moram na cidade de São Paulo. A margem de erro máxima, para o total da amostra, é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

São Paulo, 29 de setembro de 2004.

Baixe esta pesquisa