Saltar para o conteúdo principal

Cambraia cai de 28% para 22% das intenções de voto; Moroni e Inácio têm 21%, cada; Luizianne Lins sobe de 8% para 14%

Eleições -

Faltando uma semana para o primeiro turno da eleição para prefeito de Fortaleza, a disputa na cidade continua indefinida, mostra pesquisa realizada pelo Datafolha, em parceria com o jornal O Povo, nesta quinta-feira, 23 de setembro. Em relação à pesquisa anterior, realizada nos dias 31 de agosto e 1º de setembro, Antonio Cambraia (PSDB), perdeu seis pontos percentuais, caindo de 28% para 22% das intenções de voto. Nos últimos dias o vice de Cambraia, Francisco Cavalcante, foi acusado de envolvimento no chamado "Caso França", escândalo relacionado a corrupção policial e tráfico de drogas que veio à tona em 1997. Um dado da pesquisa mostra a repercussão da denúncia no eleitorado: 51% dos eleitores que declaram intenção de votar em Cambraia responderam corretamente o nome de seu companheiro de chapa e candidato a vice-prefeito. Essa taxa é 28 pontos percentuais maior do que a dos que respondem corretamente o nome do candidato a vice na chapa de Aloísio Carvalho, do PMDB (Galeno Taumaturgo Lopes), o segundo em termos de respostas corretas.

Moroni Torgan (PFL) oscilou de 24% para 21%, mesmo percentual dos que preferem o candidato do PC do B, Inácio Arruda, que apresenta oscilação negativa de dois pontos percentuais em relação ao levantamento anterior. Já a candidata do PT, Luizianne Lins, ganhou mais seis pontos percentuais, passando de 8% para 14% das intenções de voto. Na pesquisa realizada nos dias 20 e 21 de julho a petista tinha apenas 3% das preferências.

Mais uma vez ocorre empate entre Cambraia, Mornoni e Inácio Arruda. Mas dessa vez é registrada a menor diferença entre os três. Além disso, a diferença dos três primeiros colocados para Luizianne Lins é a menor já registrada.

Como a margem de erro máxima da pesquisa é de três pontos percentuais, para mais ou para menos, o percentual de intenção de voto em Antonio Cambraia pode ser de, no mínimo, 19%, e de, no máximo, 25%. Moroni Torgan e Inácio Arruda podem ter entre 18% e 24%. A intenção de voto em Luizianne Lins se situa entre 11% e 17%.

Aloísio Carvalho (PMDB) oscilou de 5% para 6% e Heitor Férrer (PDT) foi de 3% para 4%.

Vêm a seguir Francisco Caminha (PHS) e Niélson Queiroz (PSC), com 1% das intenções de voto, cada.

Foram citados, mas não atingiram 1% das menções, Antonio Vidal (PCO), Marcelo Silva (PV) e Valdir Pereira (PSTU). O percentual dos que votariam nulo ou em branco oscilou de 3% para 4% e a taxa dos que, caso a eleição fosse realizada no dia da pesquisa, não saberiam em quem votar, se manteve em 5%.

A pesquisa foi realizada no dia 23 de setembro e foram ouvidos 879 eleitores da cidade

A intenção de voto em Antonio Cambraia apresentou variações negativas principalmente entre os eleitores com escolaridade fundamental (de 34% para 25%), entre os que fazem parte da População Economicamente Ativa, ou PEA (de 29% para 21%), entre os que têm renda familiar mensal até cinco salários mínimos (de 28% para 23%), entre os homens (de 29% para 22%) e entre os eleitores com idade entre 26 e 40 anos (de 29% para 20%).

A preferência por Moroni Torgan diminuiu especialmente entre os eleitores com escolaridade média (de 25% para 18%), entre os que não fazem parte da PEA, como donas de casa e aposentados (de 28% para 18%), entre os que têm de 16 a 25 anos (de 25% para 16%) e entre as mulheres (de 25% para 20%).

Inácio Arruda continua sendo o preferido dos eleitores com escolaridade superior. No entanto, o candidato do PC do B perdeu 16 pontos percentuais nesse segmento, caindo de 42% para 26% das intenções de voto. Luizianne Lins, por sua vez, ganhou dez pontos percentuais entre os mais escolarizados, passando de 3% para 13% nesse estrato. A petista também ganhou dez pontos percentuais entre os que têm renda acima de dez salários mínimos por mês, passando de 9% para 19%. Inácio Arruda continua liderando entre os de maior renda, com 28% das preferências (oscilação negativa de um ponto percentual em relação ao levantamento anterior).

Entre as mulheres, Luizianne ganhou seis pontos percentuais, passando de 9% para 15%, atingindo uma situação de empate com Inácio Arruda, que tem 18% das preferências do eleitorado feminino. A candidata petista também ganhou votos entre os que se dizem simpatizantes de seu partido (foi de 19% para 31%). No entanto, entre os que se dizem simpatizantes do PT, o preferido continua sendo Inácio Arruda, com 41% das intenções de voto.

O fortalecimento da candidatura de Luizianne Lins pode ser atestado por outro dado da pesquisa: o percentual de moradores de Fortaleza que dizem, espontaneamente, que pretendem votar na petista aumentou de 3% na pesquisa anterior para 9% na pesquisa realizada ontem. Foi a única variação a ultrapassar a margem de erro, entre os candidatos a prefeito. A intenção de voto espontânea em Antonio Cambraia, por outro lado, oscilou negativamente, de 20% para 17%, mesmo percentual atingido por Inácio Arruda, que oscilou negativamente um ponto. A taxa dos que declaram de maneira espontânea que pretendem votar em Moroni Torgan para prefeito oscilou de 15% para 14%.

O percentual dos que não sabem dizer, espontaneamente, em quem pretendem votar para prefeito, caiu de 35% para 29%, e a dos que declaram que vão votar em branco ou anular o voto se manteve em 4%.

A rejeição a Antonio Cambraia aumentou 12 pontos percentuais: a taxa dos que afirmam que não votariam de jeito nenhum no peessedebista para prefeito aumentou de 24% para 36%. Também aumentaram as taxas de rejeição a Inácio Arruda (de 26% para 30%) e a Aloísio Carvalho (de 22% para 28%). A taxa dos que não votariam de forma alguma em Moroni Torgan oscilou de 22% para 25% e a dos que rejeitam a candidatura de Luizianne Lins oscilou de 18% para 16% e a dos que não votariam em Heitor Férrer passou de 16% para 13%.

Afirmam que votariam em qualquer um dos candidatos 4%, e dizem que não votariam em nenhum deles 3%. Não souberam responder 5% dos entrevistados.

22% de eleitores que não estão totalmente decididos citam Luizianne como mais provável opção em caso de mudança

O percentual de eleitores da cidade de Fortaleza que se dizem totalmente decididos quanto a seu voto para prefeito aumentou de 61% na pesquisa realizada nos dias 31 de agosto e 1º de setembro para 66% na pesquisa realizada ontem, revela a pesquisa do Datafolha. Dizem que seu voto ainda pode mudar 31%.

A taxa dos que dizem ter certeza que vão votar em Inácio Arruda aumentou de 63% para 72% e a dos que estão convictos quanto a seu voto em Antonio Cambraia subiu de 61% para 65%. Por outro lado, entre os potenciais eleitores de Moroni Torgan, o percentual dos que se dizem totalmente decididos caiu de 64% para 60%.

A maior variação se deu em relação a Luizianne Lins: a taxa dos que têm intenção de votar na petista e se dizem totalmente decididos aumentou de 45% para 65%, enquanto a dos que afirmam que o voto ainda pode mudar caiu de 54% para 32%.

A pesquisa mostra que a petista seria a mais provável opção de 22% dos eleitores que ainda cogitam mudar o voto até o dia da eleição, taxa dez pontos superior à verificada no levantamento anterior. Entre os que declaram intenção de votar em Inácio Arruda, mas admitem que ainda podem mudar, 31% afirmam que Luizianne seria a candidata com mais chance de receber seu voto, em caso de mudança. Essa taxa é de 28% entre os que pretendem votar em Antonio Cambraia, e de 24% entre os que hoje votariam em Moroni Torgan.

Já entre os que votariam em Luizianne, mas admitem mudar, 45% optariam por Inácio Arruda.

Inácio Arruda continua sendo, entre os candidatos a prefeito, o que tem mais eleitores declarados que conhecem o número a ser digitado na urna eletrônica para confirmar seu voto: 76% respondem corretamente o número do candidato do PC do B (65). Sabem informar o número de Luizianne Lins (13) 71%. Respondem corretamente o número de seu candidato 65% dos que têm intenção de votar em Antonio Cambraia (45) e 60% dos que pretendem votar em Moroni Torgan (25).

Pesquisa mostra empate também no segundo turno

A pesquisa do Datafolha mostra empate entre os três principais candidatos no que diz respeito ao segundo turno.

Caso a disputa ficasse entre Antonio Cambraia e Inácio Arruda, 46% dos eleitores votariam no candidato do PC do B e 43% no peessedebista.

Em virtude da margem de erro, de três pontos percentuais, para mais ou para menos, Arruda pode ter no mínimo 43% e no máximo 49% das intenções de voto; já a intenção de voto em Cambraia nessa hipótese de segundo turno se situa entre 40% e 46%.

Diante desse cenário, 47% dos eleitores que hoje pretendem votar em Moroni Torgan no primeiro turno optariam por Cambraia no segundo; 38% votariam em Arruda.

A maioria (57%) dos que votariam em Luizianne Lins no primeiro turno escolheriam Inácio Arruda no segundo; 32% votariam em Antonio Cambraia.

Também ocorre empate na simulação de segundo turno entre Moroni Torgan e Antonio Cambraia, que atingem, respectivamente, 43% (considerando a margem de erro, entre 40% e 46%) e 41% (entre 38% e 44%). Nesse caso, Moroni teria 43% dos votos dos eleitores que votariam em Inácio Arruda no primeiro turno; 26% desses eleitores optariam por Cambraia, percentual quase idêntico ao dos que votariam em branco ou anulariam o voto (27%). Dos que votariam em Luizianne Lins no primeiro turno, 42% optariam por Moroni no segundo, 34% votariam em Cambraia e 23% anulariam o voto ou votariam em branco.

No caso de um segundo turno entre Moroni Torgan e Inácio Arruda, 47% votariam no candidato do PFL e 43% no candidato do PC do B. Nesse caso, Moroni pode ter, no mínimo, 44%, e no máximo 50% das intenções de voto. Arruda, por sua vez, pode ter entre 40% e 46% das intenções de voto.

Moroni ficaria com 52% dos votos dos eleitores que, no primeiro turno, optariam por Cambraia, e Inácio Arruda seria a opção de 58% dos que votariam em Luizianne Lins.

São Paulo, 24 de setembro de 2004.

Baixe esta pesquisa