Saltar para o conteúdo principal

Disputa em São Paulo se mantém estável

Eleições -

A disputa pela prefeitura de São Paulo se mantém polarizada entre o candidato do PSDB, José Serra, e a atual prefeita e candidata à reeleição pelo PT, Marta Suplicy, mostra pesquisa realizada pelo Datafolha nesta sexta-feira, 17 de setembro de 2004. Os dois candidatos obtém hoje os mesmos índices que tinham no levantamento anterior, realizado há uma semana: Serra, que vinha em curva ascendente desde pesquisa realizada após o início do horário eleitoral, tem 37%, e Marta segue com 33% das intenções de voto.

Assim, persiste a situação de empate técnico, em razão da margem de erro da pesquisa, que é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, com vantagem para o peessedebista. Serra pode ter, no mínimo, 35%, e no máximo 39% das intenções de voto. Marta, por sua vez, pode ter entre 31% e 35% das intenções de voto. Como o empate se dá no limite da margem de erro (a atual prefeita pode ter, no máximo, o percentual mínimo obtido pelo candidato do PSDB) é mais provável que Serra esteja à frente.

A intenção de voto em Paulo Maluf (PP) oscilou de 12% para 11%, e Luiza Erundina manteve os 4% obtidos na pesquisa anterior.

Vêm a seguir os candidatos Francisco Rossi (PHS) e Paulinho (PDT), com 2% das intenções de voto, cada. Ciro (PTC) e Doutora Havanir (PRONA) atingiram 1% das citações. Dirceu Travesso (PSTU), João Manuel (PSDC), Osmar Lins (PAN), Penna (PV) e Professor Walter Canoas (PCB) foram citados, mas não atingiram 1%. Anaí Caproni (PCO) não foi citada por nenhum dos entrevistados.

Se a eleição fosse hoje, 5% anulariam o voto e não saberiam em quem votar 4%.

Levando-se em consideração apenas os votos válidos, Serra tem 40% e Marta 36% dos votos. Para o cálculo dos votos válidos são excluídos da amostra os entrevistados que afirmam que votariam em branco, os que anulariam o voto e os que se declaram indecisos.

A pesquisa foi realizada no dia 17 de setembro e foram entrevistados 1728 eleitores que moram na cidade de São Paulo.

Não foram verificadas alterações significativas entre os principais segmentos do eleitorado investigados.

Serra continua atingindo suas maiores taxas de intenção de voto entre os eleitores com renda familiar mensal superior a 10 salários mínimos (44%), entre os que têm escolaridade superior (41%), entre os que não fazem parte da População Economicamente Ativa (PEA), como aposentados e donas de casa (40%) e entre aqueles com 41 anos ou mais (38%). Ele também segue tendo mais sucesso entre as mulheres do que entre os homens: 40% delas votariam no peessedebista para prefeito hoje, ante 32% dos homens que declaram tal intenção.

Entre os eleitores mais pobres e menos escolarizados a disputa segue acirrada: entre aqueles com renda familiar mensal até cinco salários mínimos Serra tem 35% e Marta 34% das intenções de voto. Entre os que têm escolaridade fundamental o peessedebista tem 35% e a petista 33%.

A intenção de voto espontânea, que é investigada antes que seja apresentado ao entrevistado um cartão circular com os nomes de todos os candidatos a prefeito, também se manteve inalterada: o percentual dos que dizem, espontaneamente, que vão votar em Serra para prefeito, oscilou de 27% para 26%, e a taxa dos que citam Marta de forma espontânea se manteve em 26%.

A intenção de voto espontânea em Maluf se manteve em 8% e a taxa dos que citam Luiza Erundina espontaneamente permanece em 2%.

A taxa dos que não sabem dizer, de maneira espontânea, em quem pretendem votar para prefeito em outubro é de 29% e o percentual de entrevistados que pretendem votar em branco ou anular o voto é de 4%.

Vantagem de Serra sobre marta em hipotético segundo turno diminui três pontos

José Serra continua à frente de Marta Suplicy quando se trata de uma hipótese de segundo turno entre os dois candidatos. A vantagem do peessedebista, no entanto, é ligeiramente menor hoje do que era há uma semana. O percentual de eleitores da capital paulista que, diante de tal cenário, votaria em Serra, oscilou de 56% para 54%, enquanto a taxa dos que optariam por Marta oscilou de 37% para 38%.

Dos eleitores que declaram intenção de votar em Paulo Maluf no primeiro turno da eleição, 74% optariam por Serra, caso o peessedebista disputasse o segundo turno contra Marta. A petista teria 13% dos votos do eleitorado malufista. No caso de um segundo turno entre Serra e Marta, 11% dos eleitores que votariam em Maluf no primeiro turno anulariam o voto ou votariam em branco.

Dos que votariam em Luiza Erundina, 59% escolheriam Serra, 28% ficariam com Marta e 11% anulariam ou votariam em branco.

Dos que hoje anulariam o voto ou votariam em branco, 56% não mudariam seu voto em um segundo turno disputado entre Serra e Marta; 25% votariam no peessedebista e 16% na atual prefeita.

Cresce certeza do voto entre eleitores de Serra e de Maluf

O percentual de eleitores têm a intenção de votar pela reeleição de Marta Suplicy e se dizem totalmente decididos oscilou de 77% para 76% em relação à pesquisa da semana passada. Entre os que afirmam que votariam hoje em José Serra a taxa dos que se dizem totalmente decididos aumentou três pontos, passando de 68% para 71%.

A certeza quanto ao voto, porém, cresceu mais entre os que têm intenção de votar em Paulo Maluf: entre os potenciais eleitores do ex-prefeito, a taxa dos que se dizem totalmente decididos cresceu de 67% para 75%, ou seja, um aumento de oito pontos percentuais em uma semana.

Por outro lado, o percentual de eleitores que têm intenção de votar em Luiza Erundina e se dizem totalmente decididos caiu sete pontos, de 53% para 47%, enquanto a dos que dizem que o voto ainda pode mudar aumentou na mesma proporção, indo de 44% para 51%.

A pesquisa mostra que, dos eleitores que hoje declaram intenção de votar em Maluf, mas admitem mudar, 63% apontam Serra como o candidato com mais chances de receber seu voto. Citam Marta como candidata em quem talvez votariam em caso de mudança 20% dos eleitores que hoje preferem o ex-prefeito.

Dos eleitores que hoje votariam em Luiza Erundina, mas que ainda não estão totalmente decididos, 24% citam Serra como candidato com mais chances de receber seu voto em caso de mudança e 18% dizem que provavelmente votariam em Marta.

Marta e Maluf continuam sendo, entre os candidatos a prefeito, os que têm mais eleitores declarados que conhecem o número a ser digitado na urna eletrônica para confirmar seu voto:

O percentual de eleitores que têm intenção de votar em José Serra para prefeito e respondem corretamente o número que devem digitar na urna eletrônica para confirmar seu voto aumentou dez pontos percentuais em uma semana, passando de 43% para 53%. Apesar disso, o desconhecimento do número do candidato do PSDB ainda é maior do que o verificado entre os eleitores de sua principal adversária, Marta Suplicy, e entre os de Paulo Maluf. Entre os que pretendem votar em Marta o percentual de respostas corretas oscilou de 74% para 73%. Entre os que têm intenção de votar em Maluf essa taxa oscilou de 76% para 75% e entre os que pretendem votar em Erundina passou de 41% para 43%.

Rejeição a candidatos não apresenta mudanças

As taxas de rejeição aos candidatos a prefeito da cidade de São Paulo se mantiveram estáveis em relação à pesquisa de 10 de setembro, segundo o levantamento de hoje do Datafolha.

O percentual dos que não votariam em Paulo Maluf para prefeito de jeito nenhum se manteve em 52%, e o ex-prefeito continua sendo o candidato com maior taxa de rejeição:

A taxa de rejeição a Marta Suplicy, que chegou a ser de 44% em março, e que caiu de forma constante até o final de agosto, oscilou de 29% para 31% em relação ao levantamento da semana passada.

A rejeição a Luiza Erundina se manteve em 21% hoje e o percentual dos que não votariam de forma alguma em José Serra oscilou de 10% para 11%.

Vêm a seguir Doutora Havanir (com rejeição de 21%), Francisco Rossi (11%), Ciro, Osmar Lins e Paulinho (10%, cada), Penna (9%), Anaí Caproni, Dirceu Travesso e João Manuel (8%, cada) e Professor Walter Canoas (7%).

Afirmam que rejeitam todos ou não votariam em nenhum dos candidatos 2%, e dizem que votariam em qualquer um deles 3%. Não souberam responder 4% dos entrevistados.

Melhora imagem de Serra
Marta se destaca como mais preparada para cuidar do transporte, do trânsito, da educação e da limpeza da cidade

Pesquisas sobre a imagem dos candidatos a prefeito feitas pelo Datafolha mostram que a mudança na percepção que os eleitores da capital paulista têm desses candidatos acompanha as variações nas intenções de voto.

O Datafolha realizou este ano três pesquisas sobre a imagem dos candidatos: a primeira ocorreu nos dias 24 e 25 de junho, antes da transmissão do horário eleitoral gratuito pelas emissoras de rádio e TV. Naquela ocasião, Marta Suplicy liderava de maneira isolada, com 30%, seguida por Paulo Maluf (PP), 24%, e José Serra, com 20%.

Em 26 de agosto foi realizada a segunda pesquisa sobre o tema, mostrando os primeiros efeitos da propaganda dos candidatos. Naquele momento, Marta Suplicy tinha 34% e Serra atingia 30% das intenções de voto, enquanto Maluf caíra para 16%. A comparação com o levantamento anterior mostrava, de maneira geral, que a imagem da prefeita e candidata à reeleição, Marta Suplicy (PT), tinha melhorado em quase todos os aspectos pesquisados, enquanto diminuíra a percepção positiva sobre Paulo Maluf (PP). O percentual dos que consideravam o ex-prefeito o mais realizador, por exemplo, havia diminuído 13 pontos percentuais (de 43% para 30%), enquanto a taxa dos que pensavam assim sobre Marta aumentara 16 pontos (de 15% para 31%), ocorrendo, então, empate entre os dois candidatos quanto a esse aspecto.

A terceira pesquisa foi realizada no dia 17 de setembro, quando Serra atingiu 37% e Marta obteve 33% das intenções de voto. Maluf chegou a seu mais baixo índice: 11%. Dessa vez, a comparação com o levantamento anterior mostra, de maneira geral, que o candidato do PSDB ganhou pontos na maioria dos aspectos positivos pesquisados. Em relação à prefeita e candidata à reeleição Marta Suplicy (PT), ocorreram, na maioria dos casos, variações dentro da margem de erro (de dois pontos percentuais, para mais ou para menos), no que diz respeito a aspectos positivos, e ligeiras variações, que ultrapassam a margem de erro, no que diz respeito a alguns aspectos negativos. A imagem de Paulo Maluf (PP), continua em processo de desgaste.

A pesquisa foi realizada no dia 17 de setembro e foram entrevistados 1728 eleitores que moram na cidade de São Paulo. A margem de erro máxima para este levantamento é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

O percentual de eleitores da capital paulista que consideram Serra o candidato mais preparado para ser prefeito aumentou sete pontos percentuais em relação à pesquisa anterior, passando de 30% para 37%. Assim, Serra supera Marta quanto a esse aspecto: a taxa dos que consideram a petista a candidata mais preparada para ocupar a prefeitura oscilou de 28% para 29%. Paulo Maluf (PP), que, no final de junho, era considerado o mais preparado por 35%, viu essa taxa cair pela metade. Hoje, 17% dos eleitores paulistanos consideram Maluf o mais preparado para ser prefeito.

Levando-se em consideração seis aspectos específicos que dizem respeito à administração da cidade, a pesquisa mostra que Serra progrediu em todos eles, mas Marta continua se sobressaindo em quatro.

A atual prefeita continua sendo considerada a candidata mais preparada para cuidar da área do transporte, opinião de 48% do eleitorado, percentual idêntico ao verificada na pesquisa anterior. A taxa dos que consideram Serra o mais preparado para cuidar dessa área aumentou sete pontos percentuais, passando de 16% para 23%. A atual prefeita é considerada a mais preparada para cuidar do trânsito por 33% (21% citam Serra, 20% Maluf) e a candidata com maior preparo para cuidar da limpeza da cidade por 36% (24% citam Serra, 13% atribuem essa qualidade a Maluf).

As maiores variações positivas de Serra se deram no que diz respeito a duas áreas de responsabilidade do prefeito: educação e habitação.

Para 38%, Marta é a candidata mais preparada para cuidar da educação, uma das áreas na qual seu governo recebe melhor avaliação e uma de suas principais bandeiras de campanha. Em relação à pesquisa anterior ocorreu uma oscilação positiva de um ponto percentual. A taxa dos que consideram Serra o candidato mais preparado para cuidar da educação aumentou oito pontos na comparação com o último levantamento, tendo passado de 26% para 34%. Nessa caso, ocorre um empate entre os dois candidatos; no entanto, como o empate se dá no limite da margem de erro, de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, é mais provável que Marta receba mais menções do que Serra.

Quando se fala em habitação, 26% consideram o candidato do PSDB o mais preparado para cuidar dessa área, resultado que representa um crescimento de oito pontos percentuais em relação à pesquisa anterior, e que o coloca em situação de empate com Marta, citada por 24% como a mais preparada para cuidar dessa área (eram 23% no levantamento anterior). A taxa dos que consideram Maluf o mais preparado para cuidar da habitação caiu de 28% para 21%.

Serra continua superando seus adversários com larga vantagem quando se trata da área da saúde. Ex-ministro responsável pela área durante parte do governo Fernando Henrique Cardoso, o peessedebista é considerado por 61% como o mais preparado para cuidar da área. Em relação à pesquisa anterior ocorreu uma oscilação, negativa, de um ponto percentual. A taxa dos que citam Marta aumentou cinco pontos percentuais e hoje 18% acham que a prefeita é a mais preparada para cuidar da área da saúde, outro dos principais temas que vêm sendo destaque na propaganda da petista.

Marta continua sendo a candidata mais realizadora, opinião de 33% dos entrevistados. Apesar da taxa dos que atribuem essa qualidade a Maluf ter caído cinco pontos percentuais, o ex-prefeito ainda é o segundo colocado nesse aspecto, com 25% das menções. A taxa dos que consideram Serra o mais realizador subiu de 15% para 20%.

No que diz respeito à experiência, Maluf continua perdendo pontos, mas segue superando seus adversários: 37% consideram-no o mais experiente dos candidatos a prefeito. Essa taxa já foi de 53% no final de junho, tendo caído para 44% em agosto, taxa sete pontos maior do que a verificada hoje. O percentual dos que consideram Serra o mais experiente era de 21% em junho, oscilou para 23% em agosto e chega hoje a 29%. A taxa dos que consideram Marta a mais experiente era de 7% em junho, cresceu para 15% em agosto e é hoje de 18%.

A experiência é o único aspecto positivo no qual Maluf ainda se destaca. Por outro lado, o ex-prefeito lidera na maioria dos aspectos negativos: ele é considerado o mais corrupto (opinião de 66%), o que faz mais promessas que não pode cumprir (38%), o mais autoritário (45%) e o mais antipático (31%).

Dra. Havanir (PRONA) é a considerada a candidata com maior desequilíbrio emocional (opinião de 24%). Maluf é considerado o mais desequilibrado emocionalmente por 19%.

A pesquisa mostra que aumentou o percentual dos que consideram Marta a mais desequilibrada emocionalmente (de 9% para 13%), o dos que acham que ela é a que mais faz promessas que não pode cumprir (de 11% para 14%) e o dos que a definem como a mais autoritária (de 15% para 18%).

A taxa dos que consideram Serra o mais autoritário aumentou de 7% para 12% e a dos que o consideram o mais antipático subiu de 6% para 10%.

Quando indagados sobre qual é o candidato mais indeciso 12% citam Maluf, 11% Serra, 10% Marta e 8% Luiza Erundina (PSB). Um terço dos entrevistados (30%) não soube dizer qual dos candidatos a prefeito é o mais indeciso.

Para 43%, Maluf é o candidato que, caso eleito, mais defenderá os ricos. Em relação à pesquisa anterior, caiu cinco pontos percentuais a taxa dos que têm essa opinião sobre o ex-prefeito. Já a taxa dos que atribuem essa qualidade a Serra aumentou, de 8% para 14%, assim como a dos que têm essa opinião sobre Marta, tendo passado de 12% para 16%.

Por outro lado, 30% acham que a atual prefeita é a candidata que, caso eleita, mais defenderá os pobres, taxa quatro pontos maior do que a verificada na pesquisa anterior. A taxa dos que pensam assim sobre Serra aumentou de 19% para 25%.

Marta se destaca ainda como a candidata mais moderna e inovadora, opinião compartilhada por 33% dos eleitores da capital paulista. Atribuem essa qualidade a Serra 25%.

Serra continua se destacando como o mais simpático (opinião de 34%), mais democrático (30%) e mais honesto (26%).

Maluf é considerado o mais corajoso por 28%, taxa cinco pontos inferior à verificada na pesquisa anterior, e que já foi de 42% em junho. Consideram a prefeita Marta Suplicy como a candidata mais corajosa 29%, o que representa oscilação positiva de um ponto percentual em relação ao levantamento anterior. A taxa dos que consideram Serra o mais corajoso cresceu de 16% para 20%.

No que diz respeito ao candidato mais inteligente, persiste empate entre Maluf, citado por 29% (queda de três pontos percentuais em relação à taxa registrada anteriormente) e Serra, mencionado por 31% (três pontos a mais do que na pesquisa de agosto). O percentual dos que consideram Marta a mais inteligente oscilou de 17% para 18%.

Vantagem de Serra sobre Marta se amplia na parte mais rica da região sul e cai na zona norte
Marta continua liderando na periferia da zona sul; na periferia da zona leste vantagem de petista sobre peessedebista diminui

A mais recente pesquisa do Datafolha sobre a intenção de voto para prefeito de São Paulo, realizada no último dia 17 de setembro, mostra estabilidade na disputa. O candidato do PSDB, José Serra, tem 37% das intenções de voto, e a atual prefeita e candidata à reeleição, Marta Suplicy (PT) conta com 33% das preferências do eleitorado da capital paulista.

A análise dos resultados dessa pesquisa a partir da divisão da cidade em oito regiões, em comparação com a pesquisa anterior, de 10 de setembro, mostra as perdas e ganhos dos principais candidatos distribuídos geograficamente. De modo geral, pode-se dizer que Serra manteve e ampliou sua vantagem na parte mais nobre da zona sul da cidade, enquanto perdeu votos na zona norte. Marta continua à frente na parte mais pobre da zona sul; na zona leste, a vantagem de Serra sobre Marta diminuiu nos distritos mais centrais, enquanto, nos bairros mais periféricos, ocorreu o inverso.

Na região sul, de modo geral, a petista atinge 39% das intenções de voto, enquanto Serra conta com 35% das preferências. Em relação à pesquisa anterior, Serra oscilou positivamente dois pontos percentuais enquanto Marta obteve o mesmo índice conquistado anteriormente.

Na região sul 1, formada por distritos como Vila Mariana, Saúde e Moema o percentual de intenção de voto em Serra passou de 41% para 48%, enquanto a taxa de eleitores que preferem Marta variou de 26% para 23%. Assim, a vantagem do peessedebista, que era de 15 pontos percentuais, aumentou para 25 pontos percentuais em uma semana entre os eleitores da parte mais rica da região sul. Levando-se em consideração as oito regiões nas quais a cidade foi dividida, essa é a maior vantagem obtida pelo peessedebista.

Na parte mais pobre da zona sul, formada por distritos como Jardim Ângela, Capão Redondo e Campo Limpo, ambos oscilaram positivamente um ponto percentual: Serra passou de 30% para 31% e Marta variou de 44% para 45% das intenções de voto. Assim, na chamada região sul 2 a atual prefeita mantém uma vantagem de 14 pontos percentuais sobre Serra.

Na zona leste como um todo persiste o empate entre Serra, com 34%, e Marta, com 31% das intenções de voto. Há uma semana Serra tinha 35% e Marta 34% das intenções de voto nessa região. Observando-se os resultados em cada uma das duas partes em que foi dividida a região leste verifica-se que, enquanto a vantagem de Serra sobre Marta caiu na região leste 1, que tem, entre outros distritos, Tatuapé, Belém e Mooca. Na mais periférica leste 2, formada por distritos como Cidade Tiradentes, Itaquera e São Miguel, ocorreu o inverso, tendo diminuído a vantagem da petista sobre o peessedebista.

Na leste 1, Serra perdeu sete pontos percentuais, tendo passado de 43% para 36% das intenções de voto. Assim, a vantagem do peessedebista sobre a petista caiu de 17 para 11 pontos percentuais em uma semana nessa região. No entanto, essa queda não resulta de uma melhora na taxa de intenção de voto na atual prefeita, que oscilou negativamente, de 26% para 25%. Nessa parte da zona leste, a soma das taxas de intenção de voto nos demais candidatos e dos eleitores que pretendem votar em branco ou anular o voto aumentou nove pontos percentuais, passando de 27% para 36%. A intenção de voto em Paulo Maluf oscilou de 14% para 15% e a taxa dos que votariam hoje em Luiza Erundina (PSB) variou de 3% para 5%.

Na região leste 2, Marta viu sua vantagem sobre Serra cair de 13 para quatro pontos percentuais: o percentual de eleitores dessa região que votariam na prefeita foi de 41% para 36%, enquanto a taxa dos que preferem o peessedebista passou de 28% para 32%.

Serra se mantém à frente na região norte como um todo, mas a vantagem sobre Marta diminuiu de 21 para 12 pontos percentuais em uma semana. O percentual de eleitores que votariam em Serra para prefeito nessa região, que era de 44% na pesquisa anterior, passou para 39% na mais recente pesquisa, enquanto a taxa dos que preferem Marta foi de 23% para 27%.

Na região norte 1, da qual fazem parte, entre outros, os distritos de Santana, Jaçanã e Vila Maria, a intenção de voto em Serra passou de 49% para 42% e a taxa dos que preferem Marta oscilou de 23% para 21%. Nessa região Maluf foi de 12% para 18%, seu melhor resultado entre as oito regiões.

Na norte 2, da qual fazem parte, entre outros distritos, Casa Verde, Freguesia do Ó e Jaraguá, a vantagem de Serra sobre Marta caiu sete pontos percentuais: enquanto o percentual de intenção de voto no peessedebista oscilou de 39% para 38%, a taxa dos que declaram intenção de reeleger a atual prefeita aumentou de 23% para 31%.

Na região oeste, que abrange distritos como Perdizes, Barra Funda e Pinheiros, José Serra tem 45% das intenções de voto, 17 pontos percentuais à frente de Marta, que atinge 28% das preferências. Na pesquisa anterior a vantagem de Serra nessa região era de 22 pontos percentuais (o peessedebista tinha 50% e a petista 28% das intenções de voto).

Na região central da cidade, o reduzido número de entrevistas correspondentes à essa região não permite uma análise estatística segura.

A pesquisa foi realizada no dia 17 de setembro e foram entrevistados 1728 eleitores que moram na cidade de São Paulo. A margem de erro máxima, para o total da amostra, é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Equipes de campanha de Marta visitaram 24% e telefonaram para 16% das residências dos eleitores paulistanos nos últimos trinta dias

Pesquisa realizada pelo Datafolha revela que 24% dos eleitores da cidade de São Paulo afirmam que sua residência foi visitada por pessoas da campanha da prefeita e candidata à reeleição Marta Suplicy (PT) nos últimos trinta dias. Dizem ter sido visitados por equipes de campanha do candidato do PSDB, José Serra, 5%.

Tal resultado reflete a estratégia de campanha de Marta Suplicy, que conta com pelo menos 4000 pessoas encarregadas de visitar os eleitores paulistanos.

Serra tem 37% e Marta 33% das intenções de voto, segundo a mesma pesquisa, realizada no dia 17 de setembro de 2004. Foram entrevistados 1728 eleitores que moram na cidade de São Paulo e a margem de erro máxima é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Dizem que sua residência foi visitada por equipes de campanha de Paulo Maluf (PP), 1%, mesmo percentual dos que dizem ter recebido visita de pessoas fazendo propaganda para Paulinho (PDT).

A maioria (68%) afirma não ter recebido visita de pessoas fazendo campanha para candidatos a prefeito.

Levando-se em consideração uma divisão da cidade em oito regiões, observa-se que as equipes da campanha de Marta Suplicy têm priorizado a região norte 2, que abrange, entre outros, os distritos de Santana, Jaçanã e Vila Maria, e a zona leste da cidade. Na norte 2 foram visitadas as residências de 31% dos entrevistados.

Entre os eleitores que moram na região leste 28% afirmam que foram visitados por pessoas da campanha da petista. Na região oeste, por outro lado, 15% afirmam que sua residência foi visitada pela campanha da petista, taxa nove pontos inferior à registrada entre o total de entrevistados.

Não é possível comparar os dados dessa pesquisa com os obtidos em levantamento de 26 de agosto porque, como a indagação se refere aos trinta dias anteriores ao dia de realização do campo, pode haver uma sobreposição de respostas.

O Datafolha também investigou a abordagem telefônica na campanha. Declaram que alguém da campanha de Marta Suplicy telefonou para sua residência nos últimos 30 dias 16% dos entrevistados. Apenas 1% dizem ter recebido telefonema da campanha de Paulo Maluf (PP). Citações a outros candidatos não atingiram 1%.

São Paulo, 21 de setembro de 2004.

Baixe esta pesquisa