Saltar para o conteúdo principal

Dilma aumenta vantagem sobre potenciais adversários em 2014

Opinião Pública -

A presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula, ambos do PT, são os nomes preferidos pelos brasileiros para a disputa da Presidência da República em 2014.

Eles lideram em todos os cenários consultados pelo Datafolha, com Lula obtendo maior vantagem do que a atual presidente em relação aos adversários.

Nas simulações em que é possível a comparação com pesquisa realizada no início de outubro, também se verifica o aumento da vantagem de Dilma para seus possíveis oponentes na disputa.

No cenário em que se enfrentam Dilma, Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), a petista tem 47% das intenções de voto, o senador mineiro tem 19%, e o governador de Pernambuco, 11%. Votariam em branco ou nulo, neste caso, 16%, e 7% não souberam responder.

Na comparação com pesquisa do início de outubro, Dilma subiu (tinha 42%), Aécio oscilou para baixo (tinha 21%), e Campos caiu (tinha 15%). A petista tem seus índices acima da média de intenção de voto entre aqueles que estudaram até o ensino fundamental (54%), entre os mais pobres (53%), nas regiões Nordeste (61%), no Norte/Centro-Oeste (53%) e nos municípios com até 50 mil habitantes (55%).

Já Aécio ganha força entre os que possuem ensino superior (24%), entre os mais velhos (24%), no Sudeste (25%) e entre os mais ricos (24% entre os que têm renda mensal de 5 a 10 salários mínimos, e 31% entre os que ganham acima de 10 mínimos, neste caso em situação de empate com Dilma, que tem 32% no segmento). Campos também tem preferência acima da média entre os mais ricos (16%) e no Nordeste (15%).

Quando Marina substitui Campos como nome do PSB, a atual presidente tem a preferência de 42%, e em seguida aparecem Marina (26%) e Aécio (15%). A fatia de votos em branco ou nulo neste cenário recua para 11%, e 5% não souberam responder. Em relação a outubro, Dilma teve alta (tinha 39%), a ex-senadora do PSB caiu (tinha 29%) e Aécio oscilou para baixo (tinha 17%).

Contra José Serra como candidato do PSDB e Campos encabeçando a chapa pelo PSB, Dilma tem 45%, o ex-governador de São Paulo fica com 22%, e o governador de Pernambuco soma 11%. Indicações de voto em branco ou nulo neste cenário alcançam 15%, e 7% não opinaram. Dilma também avança neste quadro (tinha 40% no início de outubro), enquanto Serra e Campos recuam (tinham 25% e 15%, respectivamente).

Tendo Serra e Marina na disputa, a atual presidente fica com 41% das intenções de voto, ante 24% de Marina e 19% de Serra. Votariam em branco o nulo 10%, e 5% não souberam opinar. No início de outubro, considerando os mesmos nomes na disputa, Dilma aparecia com 37%, Marina tinha 28%, e Serra, 20%.

O Datafolha também simulou um cenário com o atual presidente do STF, Joaquim Barbosa, tendo como oponentes Dilma, Aécio e Campos. Novamente a atual presidente lidera (44%), e é seguida por Barbosa (15%), Aécio (14%), e Campos (9%). As intenções de voto em branco ou nulo somam 13%, e 6% não souberam responder.

Nos cenários em que Lula substitui Dilma como nome do PT na disputa presidencial, o ex-presidente lidera com vantagem ainda maior que a obtida pela atual presidente, mantendo-se sempre acima dos 50% de preferência. Contra Aécio e Campos, o petista tem 56% das intenções de voto, ante 16% de Aécio, 8% de Campos. Votariam em branco ou nulo 14%, e 6% não souberam opinar.

Com Serra como candidato do PSDB e Campos mantido como nome do PSB, Lula repete os 56% de preferência, e em seguida aparecem o tucano (16%) e Campos (9%). Brancos e nulos somam 13%, e 6% não souberam opinar.

Ao enfrentar Marina e Aécio, Lula tem 52% das indicações de voto, Marina fica com 20%, e Aécio obtém 13%. Votariam em branco ou nulo se estes fossem os candidatos 9%, e 5% não responderam.

Quando Serra substitui Aécio e Marina é mantida como candidata do PSB, o quadro é similar ao anterior: Lula fica com 52%, ante 20% de Marina e 14% de Serra. Brancos e nulos somam 9%, e 6% não opinaram.

Maioria dos brasileiros querem mudanças para o próximo ciclo presidencial

Apesar do favoritismo dos pré-candidatos do PT neste momento, dois em cada três brasileiros (66%) preferem que as ações do próximo presidente sejam, de modo geral, diferentes das ações tomadas por Dilma Rousseff.

Outros 28% querem que as ações sejam iguais, e 6% não souberam opinar sobre o assunto.

Há um desejo de mudança acima da média entre os mais jovens (73% querem ações diferentes das atuais); entre os mais ricos (76% entre aqueles com renda mensal de 5 a 10 mínimos, e 80% entre os que ganham quantia acima desse valor); entre os mais escolarizados (76%); no Sudeste (72%); e nos municípios mais populosos (69% nos municípios com população entre 200 e 500 mil pessoas, e 73% entre aqueles com mais de 500 mil pessoas).

Entre os que avaliam o governo Dilma como regular, fatia que é similar à dos que aprovam a atual gestão, 80% querem ações diferentes do próximo presidente.

O desejo de continuidade conquista a maioria (53%) somente o governo Dilma ótimo ou bom, e fica acima da média entre na região Nordeste (36%), Norte/Centro-Oeste (37%) e entre os brasileiros adultos com ensino fundamental (35%).

Confira a análise de Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha, e Alessandro Janoni, diretor de pesquisas do Datafolha, sobre a avaliação do governo da presidente Dilma Rousseff e o cenário eleitoral de 2014.

Veja também detalhes sobre a pesquisa de intenção de voto para a corrida presidencial matéria publicada na Folha.

Baixe esta pesquisa