Piora avaliação do Congresso

Opinião Pública -

A aprovação ao trabalho de deputados federais e senadores caiu entre abril e junho, com alta correspondente na taxa de reprovação. Atualmente, 16% avaliam como ótimo ou bom o desempenho dos congressistas, ante 22% na pesquisa anterior. Para 38%, eles vêm fazendo um trabalho ruim ou péssimo, resultado pior do que o registrado em abril, quando 32% tinham a mesma opinião. Há ainda 42% que avaliam como regular o desempenho de deputados e senadores (em abril, 41%), e 4% preferiram não opinar.

Leia mais »

Forças Armadas têm maior grau de confiança entre instituições

Opinião Pública -

Os seis meses do governo de Jair Bolsonaro (PSL) tiveram pouco impacto sobre a percepção dos brasileiros sobre as instituições que atuam na democracia brasileira. As Forças Armadas seguem com o índice mais alto de confiança, enquanto partidos políticos continuam pouco confiáveis, com poucas mudanças nos índices registrados em julho na comparação com três meses atrás.

Leia mais »

Maioria apoia internação involuntária de dependentes químicos

Opinião Pública -

Oito em cada dez (83%) brasileiros adultos são favoráveis a internação compulsória do dependente de drogas. O índice é majoritário em todos os segmentos e é próximo entre os que têm e não têm parentes usuários de drogas, respectivamente, 81% e 84%. Entre os mais jovens esse índice cai para 74%. Uma parcela de 15% declarou ser contra a internação compulsória do dependente de drogas e 2% não opinaram.

Leia mais »

Cresce apoio à Reforma da Previdência

Opinião Pública -

Pesquisa Datafolha mostra que cresceu de abril a julho o índice de brasileiros adultos que apoiam a reforma da previdência, no período, o índice foi de 41% para 47%. A taxa de brasileiros adultos que rejeitam à reforma recuou de 51% para 44%, indiferentes são 3% (era 2% em abril) e 6% não opinaram (era 7% em abril).

Leia mais »

Confiança dos brasileiros fica estável

Opinião Pública -

O Índice Datafolha de Confiança (IDC) ficou estável em relação a abril, o IDC passou de 124 para 123 pontos. Apesar da estabilidade no índice, são observadas mudanças em alguns dos indicadores que compõem o IDC. As expectativas com a situação econômica do país e pessoal recuaram mais uma vez, porém seguem em patamares altos. No período também recuaram os indicadores macroeconômicos quanto à expectativa com relação à inflação e o poder de compra. Por outro lado, os indicadores de mais orgulho do que vergonha de ser brasileiro e de avaliação do país enquanto lugar para se viver seguem melhorando.

Leia mais »